Páginas

Vídeos sobre a Cabala

Loading...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Uma Escala Para Medir Conceitos Espirituais

Postado em 15 de Novembro de 2009 às 20:33, do blog do Dr. Rav Michael Laitman


Nosso trabalho é erguer-se acima da avaliação pelo princípio de “doce versus amargo ” e a avaliação pelo princípio da “verdade versus falso.” Afinal, o Criador é chamado Verdade.
A palavra “verdade” (Emet) é constituída pelas letras: Alef-Mem-Tav. Alef e o Tav são a primeira e a última letras do alfabeto, simbolizando os desejos diferentes em duas extremidades do espectro. Mem, que está no meio, é a qualidade da Bina, que podemos utilizar para conectar essas duas pontas e chegar a correção, a Verdade.
A única maneira de descobrir o que é verdadeiro e o que é falso é dentro de um grupo de cabalistas, um ambiente. Dentro de si mesmo, um indivíduo não tem qualquer capacidade de fazer isso, já que ele possui apenas um parâmetro - o ego. Para realizar uma medição, um precisa absolutamente de outro parâmetro, que está fora dele.
Depois de estudar por um longo tempo e realizando vários esclarecimentos no grupo, um cabalista iniciante começa a sentir que ele existe em um sistema geral, global de desejos, entre outros “pontos no coração.”
Em relação a este ambiente particular, ele tem uma oportunidade de adquirir novos conceitos: chamar mais perto ou mais longe dele, um sentimento de seu sistema global, sua inclusão no mesmo, a necessidade de seu apoio, e uma percepção de que é o lugar onde ele irá revelar o Mundo Superior e o Criador.
Entretanto, a interação de duas forças - a mim mesmo e ao meio ambiente, é formada dentro de mim. O ambiente vai aumentar de peso, a fim de neutralizar o meu “eu” - o ego. Um novo sistema governante irá surgir, que será fora de mim, e vou começar a pensar e ver a salvação, a alavanca que pode me tirar do meu estado - neste mundo.
Eu me meço “eu contra o meio ambiente”, e como resultado das minhas medidas, eu adquiro graus quantitativos e qualitativos para medir as relações espirituais e forças. Eu, assim, construo uma escala linear: Eu estou em uma ponta, e o grupo está na outra. Utilizando esta escala, já posso analisar, avaliar e descrever o mundo superior.
A partir da relação de “mim mesmo e o grupo”, uma célula espiritual forma-se em mim, e eu posso medir toda a realidade em cima de mim com essa célula. Isso é como eu construo uma alma dentro de mim.